Informamos que os endereços de e-mail da nossa Central de Relacionamento mudaram. Nossos novos endereços são: Para Financiamento: [email protected]| Para Consórcio: [email protected]. Para consultar todos os nossos canais de atendimento acesse a nossa página de Fale Conosco.
Crédito Consciente
É desse ponto que partimos!
Saiba como fechar no azul, todos os meses.

Sobre o Guia

Elaboramos para você este guia de crédito consciente, nele você descobrirá como fechar no azul, todos os meses. ​Pois, tão importante quanto saber o quanto se ganha e como poderá gastar, é saber como cuidar do seu dinheiro. O planejamento é a palavra de ordem.

Por isso, elaboramos este guia com algumas dicas para que você tenha uma vida financeira saudável e organizada.

Qual o meu status? Mas antes de planejar a aposentadoria ou qualquer investimento, é preciso conhecer com certeza o seu atual status financeiro. Quais são suas fontes de renda? E os seus compromissos? Faça um orçamento anual dos seus gastos, este é o primeiro e mais importante passo.

Todo mundo pronto!  Pronto? Então aproveite nossas dicas e prepare-se para estar sempre em dia!

Vamos a Comecar?

Organize suas finanças

​Após organizar suas fontes de renda e compromissos, escolha uma ferramenta para registrar tudo isso. Pode ser uma planilha, um aplicativo de controle de finanças pessoais ou mesmo um caderno, se preferir. Anote tudo que entrou de dinheiro no período, liste suas despesas (gastos mensais) e some tudo. Ao finalizar, você verá se está no negativo, positivo ou neutro.

O que define minha vida financeira?

Receitas

É tudo que entra na sua renda, como salário, 13°, férias e trabalhos extras, entre outros.

Despesas

Existem três tipos de despesas:

  • Fixas: como aluguel, IPTU, transporte e etc
  • Variáveis: luz, internet, supermercado e etc
  • Eventuais: presentes, jantar fora, material escolar e etc

 

Saldo Mensal - Organize suas finanças

​​Somando suas receitas e subtraindo suas despesas, você terá uma projeção de saldo mensal, assim será possível avaliar se o seu diagnóstico (o seu “hoje”) é positivo ou negativo, bem como ter uma ideia do seu prognóstico (o seu “amanhã”), caso tudo continue como está. 

Depois de ter seu orçamento completo, observe o que fazer em cada caso:

  • Saldo negativo: Gastou mais do que podia? Usou muito o cartão de crédito e cheque especial? Não hesite em cortar despesas e encontrar outras maneiras de ganhar dinheiro. Outra dica importante é renegociar as dívidas de curto prazo
  • Saldo neutro: Houve equilíbrio entre sua renda e todos os gastos? Aproveite para fazer uma reserva de dinheiro para eventuais imprevistos e veja o que pode cortar de gastos
  • Saldo positivo: Você guarda dinheiro todo mês? Sua renda está acima dos gastos mensais? É hora de investir de acordo com os seus objetivos de vida e proteger seu patrimônio
Organização Financeira
Organização Financeira
Organização
Algumas dicas para te ajudar a organizar tudo
  • Registre tudo: Assim, você pode ver o que pode ser cortado e o que ainda pode gastar
  • Imprevistos acontecem, então crie sua reserva. Criar uma reserva de emergência é sempre bom. Assim, caso você tenha gastos imprevistos, não comprometerá seu orçamento
  • Tenha metas e objetivos: O salário caiu na conta? O que você irá fazer com ele? Sabendo com o que você irá gastar, você consegue se organizar melhor para economizar e saber onde investir.

Pense em quanto irá economizar mensalmente

A lógica é: Quanto mais você ganha, mais poderá poupar. O ideal é que você poupe, ao menos, entre 5% e 20% do seu salário. Já imaginou como seria?

Estude sobre melhores opções de investimento para você

Além de poupar, é interessante aprender sobre investimentos e saber o que você fará com os rendimentos.

Não deixe de planejar sua aposentadoria

Chegou aos 30 anos e não planejou sua aposentadoria? Então faça isso agora. Planeje com qual idade você quer se aposentar, o padrão de vida que gostaria de ter e o que é preciso fazer para conseguir isso. Quanto maior for o padrão de vida, mais você deverá economizar.

  • Planeje sua carreira

Para ganhar mais, é necessário se atualizar e estar sempre estudando além da graduação. Cursos de línguas, cursos livres e online são algumas opções para se manter à frente no mercado.

Esqueça as "parcelinhas"

Prefira comprar as coisas à vista, assim, além de economizar e ter maior poder de barganha, você foge de dívidas e juros.

Fiscalize o desperdício

Faça listas de compras antes de ir ao supermercado, evitando supérfluos e sobras, que passam do prazo de validade e terminam no lixo.

Dívidas
Dívidas
Passo a passo
Organize suas finanças
Chegou a hora de aprender de uma vez por todas como quitar todas as suas dívidas!

Passo 1 - Controle: É interessante organizar todas as suas dívidas, analisar os valores que ainda não foram pagos e quais os juros cobrados em cada uma cada delas. Lembre-se, também, de deixar sua família ciente sobre o momento de recuperação pelo qual você está passando. 

Passo 2 - Elimine: Não basta pagar dívidas, é preciso aplicar uma redução em despesas essenciais, como moradia e transporte ou supérfluas, como cinema, bares, restaurantes, entre outras. O ideal é frequentar espaços de lazer gratuitos, substituir os produtos que costuma consumir por marcas mais baratas e optar por uma alimentação mais saudável e caseira.

Há desperdício? Sabe quando você contrata um plano de academia e quase não vai? Ou assina um pacote de TV e telefonia que você mal usa? Não seria melhor cancelar esses serviços e guardar o dinheiro para quitar suas dívidas?.

Passo 3 - Renegocie: Pense em quanto poderia pagar mensalmente para quitar seus compromissos, desde que tal valor não comprometa seu orçamento. O próximo passo é entrar em contato com seus credores e negociar, expondo seu limite mensal para aquele compromisso.  

Posso pagar quanto? Uma média ideal, não apenas para o pagamento de dívidas, mas para planejar quando adquiri-las, é considerar um máximo de 30% da sua renda. Qualquer valor maior poderá comprometer suas finanças.

Passo 4 – Amplie: Já pensou em vender doces, fazer artesanatos ou usar alguma habilidade técnica para prestar serviços fora do horário de trabalho? Não? Então, caso queria quitar suas dívidas mais rápido ou precise complementar sua renda, considere! São fontes alternativas que podem ajudar muito, inclusive a realizar aquele sonho. Em último caso, avalie a viabilidade de alugar ou vender algum bem, principalmente os que demandam um alto custo de manutenção. 

Dívidas quitadas? Comemore!
Com o fim das dívidas, celebre! Agora é importante ter consciência e planejamento na hora de controlar os novos gastos.

 

Quais são as dívidas mais comuns? Como elas funcionam?

Crédito rotativo
Ao receber a fatura do cartão de crédito, há a opção de pagar apenas o valor mínimo, o que é errado, pois o consumidor entra no crédito rotativo. Na próxima fatura, haverá o débito da fatura anterior, acrescido de juros. Os juros do crédito rotativo estão entre os mais altos do mercado (em média, 15% ao mês) e, com isso, a dívida pode se estender e se tornar uma bola de neve.

Recentemente, como medida de controle, o Banco Central determinou que quem optar por pagar o valor mínimo da fatura, não poderá repetir isso no mês seguinte. Com isso, ao invés de o consumidor "arrastar" sua dívida por muito tempo e, caso ainda não consiga realizar o pagamento do valor total, o banco deverá oferecer uma linha de crédito para que o cliente parcele a dívida, com juros menores e em um prazo determinado.

Cheque especial
O cheque especial é um crédito pré-aprovado que não exige uma solicitação de empréstimo ao banco. Quando acaba o seu saldo da conta corrente, ainda é possível utilizar o cartão de débito até o limite disponibilizado.

Por um lado, isso é muito bom quando você está precisando de dinheiro em caso de emergências, mas, no final você paga um preço alto por isso. Os juros dessa modalidade giram em torno de 13% ao mês.

Por isso, fique atento ao seu orçamento mensal, sempre planejando os gastos de acordo com sua renda, para não ficar "pendurado" no cheque especial. 

Financiamentos
Os financiamentos de automóveis e imobiliários são muito comuns na vida dos brasileiros. E, por estarem vinculados diretamente a bens que poderão ser reclamados pelo banco em caso de inadimplência, têm as taxas são mais baixas: (em média, até 3% ao mês).

Mas, mesmo com taxas atrativas, antes de adquirir um financiamento, considere que:

  • Imobiliário: O financiamento imobiliário tem um prazo longo (até 30 anos), preste atenção ao valor das parcelas, é necessário ver se você pode comprometer 30% ou mais da sua renda em um financiamento ou se é melhor diminuir a porcentagem para você pagar com mais tranquilidade.
  • Automóvel: Além do valor mensal das parcelas, é preciso ter em mente outros custos, como seguro, IPVA, licenciamento e a desvalorização do veículo. Além disso, há os gastos com combustível e manutenção. Se pretende realizar o sonho do carro novo, as melhores alternativas são a contratação de um consórcio ou aplicar o dinheiro para uma boa entrada, financiando a diferença.

 

Como funciona?

Empréstimos
As taxas de juros dos empréstimos, por incrível que pareça, são menores. O crédito consignado tem as menores taxas de juros do mercado (como 1% e 1,5% ao mês aproximadamente), pois o desconto é feito diretamente no holerite ou no benefício do INSS. É uma boa saída quando você tem uma dívida com juros mais altos e precisa quitá-la e, com essa alternativa, pode pagar juros menores e resolver a situação.

O crédito pessoal tem as taxas de juros entre 2% a 6% ao mês. Também pode compensar caso você troque as dívidas de juros altos, se você não tiver acesso ao crédito consignado. Mas não tenha esse recurso como uma garantia ou saída simples. Pense muito se não poderia recorrer a outras táticas, como corte de gastou ou redução de custos, por exemplo.

É recomendável muita cautela antes de pedir um crédito no mercado, verificando se realmente precisa de um empréstimo e comparando os Custos Efetivos Totais entre as várias instituições financeiras e planejando-se para pagar os seus compromissos.

Futuro
Futuro
Sobre os investimentos

Aqui você irá aprender tudo sobre os tipos de investimentos, o perfil e objetivo de cada um deles e suas vantagens e desvantagens. 

Ações

Você pode adquirir o menor pedaço de uma empresa que pode ser comprado. Dessa forma, você se tornará sócio da companhia e terá sua participação de acordo com a quantidade de ações compradas. Existem muitas formas de agir no mercado de ações.

Todas as ações das empresas são negociadas nas Bolsas de Valores por mediação das corretoras, no qual os preços são definidos pela oferta e demanda. Os acionistas que investem em ações podem ganhar dinheiro de acordo com os ganhos dos dividendos, que são calculados segundo o lucro das empresas ou vendendo ações que são valorizadas.

Vantagens:

  • Tem potencial de alto retorno
  • Retorno em longo prazo.

Desvantagens:

  • Há um alto risco
  • Você pagará taxas de administração, custódia e carregamento
  • É necessário investir quantias maiores que R$1.000,00 em média
Fundos de Investimento

É a junção de vários investidores, cotistas, que dividem recursos com o objetivo de maximizar os lucros e baixar os riscos. Um gestor especializado administra esses bens e divide os lucros proporcionalmente aos investimentos dos cotistas. Neste caso, o investidor não tem que se preocupar com as oscilações do mercado.

Há sete categorias de fundos de investimento: curto prazo, referenciados, renda fixa, ações, dívida externa, dívida interna, cambiais e multimercados.

Vantagens:

  • Facilidade e simplicidade
  • Riscos menores
  • Diluição de custos

Desvantagens:

  • Pagamento de taxas de administração
  • Em alguns casos pagamento de taxa de performance
  • Em alguns casos cobrança de IOF

Títulos Públicos
Os títulos são certificados de dívida (ativos de renda fixa) e são usados e emitidos pelo governo federal com o propósito de financiar as suas ações e ganhar verbas para o financiamento da dívida pública.

Tesouro Direto é a forma mais fácil de ter acesso a títulos públicos e que permite a diversificação da carteira pessoal, pois é possível investir a partir de R$ 30,00, em títulos com tipos de rentabilidade diversos, prazos de vencimento e fluxos de remuneração. Lembrando que a rentabilidade dita na hora que você comprou o título só será válida se o investidor ficar com os papéis até o seu vencimento. Caso você queira usar o capital antes da data de vencimento, não é aconselhável escolher essa opção.

Vantagens:

  • Segurança de retorno
  • Essa opção é ideal para investimentos com retirada a médio-prazo
  • Tem liquidez diária
  • O investimento mínimo é baixo

Desvantagens:

  • Taxa de custódia
  • É necessário cumprir o acordado para ganhar a remuneração total

LCI e LCA
LCI (Letras de Crédito Imobiliário) é um título de crédito emitido com o intuito de financiar o setor imobiliário.  Já no LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) são títulos de crédito gerados por instituições financeiras, com a função de financiar o setor agrícola. Ambos os investimentos são considerados de renda fixa e é possível ter ganhos bem maiores do que os apurados em cadernetas de poupança, além de não existir cobrança de IR para pessoas físicas e há garantia do Fundo Garantidor de Crédito para valores de até R$ 250 mil reais por CPF. O investidor poderá optar por aquele que tiver maior rentabilidade.

Vantagens:

  • Segurança de retorno
  • Investimentos com retirada a médio-prazo
  • Rendimentos maiores que na poupança
  • Fundo Garantidor de Crédito que cobre o limite de até R$ 250 mil por CPF

Desvantagens:

  • Prazo mínimo de 90 dias
  • Tem IR para Pessoa Jurídica (tabela regressiva)

Debêntures (títulos emitidos por empresas)
Neste caso, o comprador dos títulos empresta dinheiro às organizações em troca do recebimento do dinheiro acrescido de juros. Dessa forma, você pode capturar recursos de médio e longo prazo para sociedades anônimas. Os acordos são escritos e feitos em termos de prazos e juros para a restituição de uma dívida. O comprador poderá ficar com o título até que o receba, ou poderá vendê-lo antes a outra pessoa. Outra possibilidade seria debêntures conversíveis em ações.

Vantagens:

  • Maiores rendimentos do que os títulos públicos

Desvantagens:

  • Maiores riscos do que os títulos emitidos pelo governo federal
  • Liquidez baixa
  • Há aplicações que não são cobertas pelo Fundo Garantidor de Crédito
  • Em alguns casos cobrança de IOF

Debêntures (títulos emitidos por empresas)
Neste caso, o comprador dos títulos empresta dinheiro às organizações em troca do recebimento do dinheiro acrescido de juros. Dessa forma, você pode capturar recursos de médio e longo prazo para sociedades anônimas. Os acordos são escritos e feitos em termos de prazos e juros para a restituição de uma dívida. O comprador poderá ficar com o título até que o receba, ou poderá vendê-lo antes a outra pessoa. Outra possibilidade seria debêntures conversíveis em ações.

Vantagens:

  • Maiores rendimentos do que os títulos públicos

Desvantagens:

  • Maiores riscos do que os títulos emitidos pelo governo federal
  • Liquidez baixa
  • Há aplicações que não são cobertas pelo Fundo Garantidor de Crédito

CDB e RDB
O comprador pode emprestar dinheiro ao banco em troca do pagamento desse valor somado as taxas de juros. São duas modalidades de renda fixa.

O CDB (Certificado de Depósito Bancário) e o RDB (Recibo de Depósito Bancário) têm diferenças. No primeiro, é possível negociar o seu vencimento, o que causa a perda de rentabilidade, já no segundo, é inegociável e também intransferível, sendo mais rígido. Nas duas aplicações são cobrados IR (regressiva), quanto maior for o tempo de aplicação, menor a alíquota e também há cobrança de IOF nos primeiros 30 dias.

Vantagens:

  • Baixo risco
  • Cobertura do FGC para até 250 mil reais por CPF

Desvantagens:

  • RDB não oferece liquidez, é melhor apenas para longo-prazo
  • CDB se retirado antes do prazo pode comprometer o rendimento
  • Cobrança de IR
  • Em alguns casos cobrança de IOF

Previdência Privada
São fundos de investimentos que podem ser considerados mais conservadores. Você investe mais em renda fixa ou em renda variável para formar o fundo. Além disso, é uma aplicação de longo prazo, onde você pode complementar o que já tem no sistema do (INSS), ou juntar dinheiro para projetos futuros.

Existem duas modalidades: o PGBL é indicado para pessoas que declaram o Imposto de Renda de forma completa e o VGBL é para pessoas que fazem a Declaração simplificada do IR. Há a perspectiva de isenção do IR da renda anual tributável em PGBL, o que transforma o investimento em uma estratégia tributária em longo prazo, pensando sempre no maior rendimento do dinheiro.

Vantagens:

  • Isenção de até 12% da sua renda anual tributável em PGBL
  • Afastamento de come-cotas
  • Capacidade de portabilidade
  • Possibilidade de utilizar a aplicação como ferramenta de planejamento familiar, pois com a morte do portador, o benefício é enviado aos beneficiários que foram indicados previamente sem que esteja no inventário
  • Investimento em fundos de gestoras excelentes a um valor introdutório mais baixo
  • Os fundos de Previdência Privada não fecham para captação

Desvantagens:

  • A liquidez é diária. O resgate só pode ser feito de 60 em 60 dias
  • Há taxas de administração e carregamento

Renda Fixa x Renda Variável
Renda fixa é um investimento cuja forma de cálculo é conhecida no momento da aplicação. Pode ser pré-fixada (o valor dos rendimentos são conhecidos na hora em que você realiza a aplicação) ou pós-fixados (o valor dos juros é conhecido apenas no momento do resgate, pois pode ser indexada em fontes de variação como SELIC, CDI e CDB). Os investimentos de renda fixa são menos arriscados e são melhores para os investidores mais conservadores. Ex: Caderneta de Poupança, Títulos Públicos, Certificados de Depósito Bancário (CDB), Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), Fundos de Renda Fixa e Debêntures. A renda variável é um investimento cuja fórmula de cálculo não é conhecida na hora em que você aplica o dinheiro, porque ela pode variar de acordo com o mercado. Esses investimentos são mais ousados e recomendados para quem gosta de se arriscar. Ex: Fundos imobiliários e ações.

Credito
Quando e como usar?
Quando solicitar um crédito?

Na hora de pedir um pNa hora de pedir um empréstimo no mercado os custos variam bastante e dependem de alguns fatores na hora da concessão, como a análise de crédito. Abaixo, listamos como fazer um empréstimo de forma inteligente, sem complicar seu orçamento.

Consignado
Geralmente, essa opção tem um baixo risco e menores juros, pois as parcelas são descontadas do salário ou do benefício do INSS.

Vale a pena verificar quais são as taxas em cada banco e fazer simulações e pesquisas, pois elas costumam variar. Esse tipo de crédito é ideal para um empregado do setor privado, porque pode custar entre 1,53% e 6,73% ao mês.

Ideal para: realizar projetos pessoais e profissionais e para quem precisa pagar dívidas.

Empréstimo pessoal
O Custo Efetivo Total - CET (Soma de todas as taxas efetuadas em um empréstimo, financiamento ou parcelamento) dos bancos é menor do que o CET das financeiras. Dessa forma, o empréstimo com uma financeira sairá bem mais caro.

Como os bancos possuem estruturas mais robustas e aplicam sua expertise nas análises de crédito, sai mais barato contratar com eles. Você também pode pesquisar serviços online de contratação de empréstimo pessoal.

Ideal para: realizar projetos pessoais e profissionais e para pagar dívidas com juros mais altos.

Cheque Especial
O Cheque Especial você poderá usar a qualquer momento para fazer débitos em cartões, saques, transferências, pagamentos e emissão de cheque. Ele deve ser usado para emergências em curto prazo, apenas em caso de extrema necessidade.

Ideal para: imprevistos do dia a dia e por um curto período.

Cartão de Crédito
Ele pode ser usado para pagamento à vista ou parcelado. Porém, muita atenção aos juros e sempre pague o valor total da fatura. Use com moderação e mantenha tudo sob controle para que os gastos com o cartão não ultrapassem sua renda mensal.

Ideal: pequenas compras à vista ou compras de valor mais alto, parceladas e planejadas.

Financiamentos
No financiamento, o cliente tem um contrato com uma instituição financeira para a compra de um bem. Neste tipo de operação, o bem financiado é utilizado como garantia do pagamento. Analise as opções e procure uma instituição que ofereça as menores taxas de juros, qualidade na prestação de serviços e um prazo que caiba no seu orçamento.

Ideal para: formar patrimônio, comprar um imóvel novo ou usado, trocar de carro e adquirir o seu Chevrolet 0 km.

Consórcios
O cliente pode usar o consórcio para a compra de um bem de maneira estruturada. A espera vale a pena, pois ao contrário dos empréstimos e financiamentos, no consórcio não são cobrados juros.

Ideal para: Para quem quer comprar um carro, moto, imóvel, terreno, construção, reforma de imóveis. Para os empreendedores, serve para expandir negócios através da compra, reforma, construção de imóveis, compra de veículos (novos e usados), equipamentos e máquinas agrícolas.

Dicas
Dicas
Para finalizarmos

Chegamos ao final do nosso guia e preparamos para você algumas dicas extra. São fontes com materiais sobre gestão financeira para continuar aplicando as dicas no seu dia a dia e alimentar bons hábitos.

GuiaBolso: https://bit.ly/1D5qlAL
Com o app de celular do GuiaBolso, você cadastra sua conta bancária e lança seu saldo e ele sincronizará as movimentações na conta para controlar suas despesas principais. Além disso, você pode organizar as suas despesas em categorias e ver onde e com que você está gastando mais. 

Quickbooks: https://intuit.me/2nrvnsB
Aplicativo de celular para gestão de finanças pessoais ou da sua empresa. Você pode ver em tempo real todas as suas despesas e gerenciar suas contas em um único lugar. 

E-book 10 atitudes para transformar a sua vida financeira do Dinheirama (Gratuito): https://bit.ly/2n08eNF
Neste e-book, você vai aprender como definir suas prioridades e objetivos, organizar melhor suas finanças e como investir seu dinheiro da melhor forma. 

Canal no Youtube – O Primo Rico:  https://bit.ly/2utKcxv
Não sabe como começar a investir? O Thiago Nigro te ajuda a você ser o primo rico da família. Ele ainda aborda quais são os melhores investimentos e como ter rentabilidade com cada um deles. Não deixe de assistir os vídeos que são divulgados nas terças e quintas-feiras, às 20h.

Canal no Youtube – Patrícia Lages – Dicas de Economia: https://bit.ly/2lYQTEI
A Patrícia Lages fala em seu canal sobre investimentos em imóveis, produtividade no trabalho, empreendedorismo, finanças pessoais, entre outros temas. É autora do livro Bolsa Blindada e o seu canal no Youtube tem quase 200 mil inscritos. Vale a pena assistir os vídeos publicados toda terça-feira às 20h.

Curso online "Como fazer investimentos 1" da FGV (Gratuito): https://bit.ly/2e5Hl3M
O curso também da FGV, apresenta os conceitos e métodos para realizar investimentos com coerência e segurança, tendo a ciência dos riscos e entendendo as características das diferentes aplicações.  

 Curso online sobre Finanças Pessoais da XP Educação (Gratuito): https://bit.ly/2KUgohb
O curso da XP Investimentos tem 3 horas de duração e te ajuda a gerir seu orçamento, construir seu patrimônio e saber utilizar os juros compostos para concluir seus objetivos e ter uma vida financeira mais tranquila. 

Curso online "Como economizar em tempo de crise" da FGV (Gratuito): https://bit.ly/2bhf0U4
Como a crise econômica do Brasil atinge os brasileiros, nada melhor do que fazer o curso online da Fundação Getúlio Vargas sobre qual é a forma consciente de fazer compras de acordo com seus objetivos e administrar mais satisfatoriamente a sua renda.